Sabes dizer que não?

Nós, os de boa alma, passamos os nossos dias à procura de consensos. Somos especialistas em tentar agradar, em promover a concórdia e a paz. “Pisamo-nos” e deixamos que nos esmaguem só e apenas para não levantarmos ondas.

Preferimos assumir os erros alheios a chamarmos guerras para a nossa porta. Somos máquinas de receios e profissionais do consentimento.

Sim. Eu, tu e nós somos assim. Quem já não é assim são os outros; os opressores, os agressores, os atrevidos, aqueles que nos empurram descaradamente contra as paredes das decisões, contra os nossos princípios mas sobretudo que nos forçam às batalhas da discussão.

Somos criados de um tal “sim” que não sabe dizer que “não”.
Criados para um fim que honra a educação.
Somos assim – resistentes – como se fossemos feitos de betão.

Tristão de Andrade