Jerusalém não é de ninguém. É de todos.


A decisão de Donald Trump em mudar a embaixada americana para Jerusalém é uma aberração no plano diplomático internacional. Esta postura reconhece unilateralmente a cidade santa como a capital de Israel.
Mas onde ficam os muçulmanos, os judeus e os cristãos?
Fico curioso para perceber como vai o “Cowboy” equilibrar a balança de interesses.
O mundo em geral e o universo muçulmano em particular, com vastíssimos interesses económico-políticos para os norte americanos, não concordam com esta decisão.

Trump mandou alguém meter a mão no vespeiro. Manda sempre, nunca mete a dele, e a única coisa que consegue fazer com as suas próprias mãozinhas é escrever cobardemente, e atrás de um monitor, os seus twitters inflamados.

Quer ficar na história a qualquer preço mesmo que esta decisão de “casino” lhe custe o cognome de “o idiota”.
Os Estados Unidos perdem a liderança internacional que assumiram após a segunda guerra mundial simplesmente por incompetência.
Os moderados – judeus, muçulmanos e cristãos – preparam-se para o que aí vem. Primeiro o caos, depois a morte e por fim a bonança. Mas isso será já num tempo de esperança onde não há lugar para “Trumps”.

Tristão de Andrade

1 comentário a “Jerusalém não é de ninguém. É de todos.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


− 5 = três