Porta Aberta.

Nunca me canso de dizer o quanto gosto e preciso de escrever com a porta aberta.

Eu sei que esta é a forma certa para percorrer o mundo dos sentimentos, das ideias e da vida. Pela janela deixo entrar a luz, uma ligeira corrente de ar e em troca liberto por lá o meu olhar que só termina no infinito.

Deixo sempre a porta aberta, convido-te a entrar, casa pequena que aperta mas nem assim a vou fechar. Peço-te que tragas as experiências, as tuas raivas, os dias de sol, as chuvas e as saraivas.

Eu aprendo contigo, tu cresces comigo; ensina-me onde fica o sul que eu logo te aponto o norte. E como me fazes sentir mais forte!

Assim vou escrevendo sem sair do meu lugar, sereno na minha aventura, e à espera da tua visita porque quando estás tudo é uma verdadeira descoberta.

Entendes agora porque só sei escrever de porta aberta?

Tristão de Andrade

Siga-me em:
Facebook: /tristaodeandrade
Instagram: @tristaodeandrade
Blog: Discurso.pt